Você não é perfeito, você é perfectível!

Palavras como sorte, azar ou destino norteiam seu dia a dia e a maneira como você lida com os seus resultados? Ou você ao invés de tais palavras utiliza-se de outras como decisão, estratégia e trabalho?

Segundo o filósofo Francês Jean-Paul Sartre, não importa o que a vida faz de você e sim o que você faz com o que a vida faz de você.

Um dos grandes problemas do ser humano é acreditar que a responsabilidade de sua vida está no acaso, que as coisas acontecem porque têm que acontecer e pronto. Isto é uma forma muito simplista e até cruel de pensar, pois significa se abandonar.

É fato que você não consegue controlar tudo o que acontece, por exemplo: clima, inflação, pessoas lhe criticando, etc. Todavia, a maneira como você lida com os acontecimentos é que vai fazer toda a diferença.

O que você está fazendo de você? Em determinado momento da minha vida eu me fiz esta mesma pergunta e a fiz porque o sentimento de ter perdido as rédeas de tudo estava me consumindo muito.

Um dos fatores predominantes foi entender que a vida é muito curta para vivê-la de maneira medíocre, então eu me olhei no espelho e decidi que tomaria decisões diferentes rumo ao que eu desejava e pararia de ficar vivendo ao acaso.

Apesar de ter me olhado no espelho e tomado as decisões que tomei eu precisei mergulhar no campo do AUTOCONHECIMENTO para poder me compreender melhor. Outro filósofo, o grego Sócrates, disse certa vez: “Conhece-te a si mesmo”. A tradução mais perfeita desta frase é que é muito importante ser mais do que já se é, porém mais importante ainda é saber QUEM VOCÊ É!

Todavia, o cuidado que temos que ter é com a tal da perfeição. Quando alguém acredita que chegou à perfeição de algo que faz, este alguém está perdendo a grande oportunidade de crescer, evoluir, ser cada vez melhor e a falta de autoconhecimento é um dos causadores principais para este comportamento.

A palavra “PERFEITO” vem do latim “PERFECTUM” e significa “FEITO ATÈ O FIM” e pensar que estamos no meio da jornada é bem mais saudável do que pensar estar no fim, não acha?

Ao invés de se considerar “PERFEITO”, considere-se “PERFECTÍVEL”, pois desta forma você se coloca no patamar de TRANSFORMAÇÃO.

Freud costumava se perguntar o porquê das pessoas procurarem tanto a INFELICIDADE através de relacionamentos tuins, empregos obrigatórios e estilos de vida medíocres. Olha para dentro de si, busque o autoconhecimento. A vida só faz sentido se for intensamente vivida e aproveitada dentro de seus objetivos. PENSE NISSO!

Faça parte da minha lista de transmissão e receber meus conteúdos exclusivos, toda quarta-feira você receberá um áudio com diversos temas no “O assunto é…”. Para participar é simples, envie uma mensagem para o WhatsApp (91) 991124477 dizendo seu nome que você será incluído imediatamente.

Sucesso sempre!

Mesmo não querendo, faça acontecer!

Sabe aquele dia em que você não está se sentindo disposto(a) e a sua vontade é apenas ficar de pernas para o ar, sem fazer nada?

Coincidência ou não, este artigo foi escrito em um domingo logo após um feriado. Quer uma razão maior para ficar sem fazer nada quando se trata de trabalho?

A verdade é que para quem não tem uma razão concreta para alcançar suas metas pode estar achando que seja melhor mesmo tirar o final de semana e os feriados para não fazer nada de maneira profissional.

É, talvez em sua opinião seja isso mesmo, quem sou eu criticar ou julgar? O que estou tentando lhe dizer é que se você deseja alcançar resultados diferenciados e ainda está distante disso, não seria mais sensato aproveitar mais dias para que futuramente pudesse curtir seus finais de semana e feriados como quisesse?

“Todo mundo quer ir para o céu, mas ninguém quer morrer”. Você já ouviu esta frase? É a mais pura verdade e se enquadra em diversos contextos.

Quem não quer uma vida melhor em que possa desfrutar de qualidades que até então nunca ou raramente experimentou? Eu tenho a absoluta certeza que, assim como eu, você que lê este artigo também deseja isso, não é mesmo?

Porém, para que seus sonhos se tornem realidade infelizmente não existe um botão mágico em que você aperte e eles se tornem realidade. Ou você acredita que exista?

Muitas vezes o nosso corpo e mente não estão pedindo um esforço além daquele que já imprimimos, porém precisamos ter cuidado com isso, porque pode ser uma tal de zona de conforto querendo nos tirar do ar ou obstáculos que não nos deixam seguir em frente.

Em 2010 eu fui morar em Vila Velha / ES para participar de um treinamento de 3 meses com o intuito de levar gestão empreendedora para os empresários de MPE’S ao redor do Brasil.

A distância de casa e da família eram fatores muito desconfortáveis, porém especificamente havia algo mais que me tirava o sono: Alguns módulos tinha matemática e eu morria de medo desta ciência desde a minha infância. Desde 17 anos dando aula de Inglês, graduado em Letras, professor de Português, matemática não fazia parte da minha vida acadêmica.

O que fazer então? Recuar e perder a oportunidade de vivenciar um dos momentos mais maravilhosos da minha vida como profissional e pessoal ou ir pra cima? De certeza eu optei em ir para cima e como fui.

Aos finais de semana e feriados eu ficava trancado no apartamento da empresa estudando, estudando, estudando e quando estava cansado eu estudava mais. Para piorar a situação era verão e eu estava a metros da praia. Quer prova maior?

Todavia, eu tinha um propósito maior e não era de ser apenas mais um instrutor dentro da empresa e para isso eu precisava me superar. E sabe qual foi a primeira coisa que eu fiz? Eu me olhei no espelho e me fiz a seguinte pergunta: “Amandio, o que você quer para sua vida? Você escolheu estar aqui, Deus te deu esta oportunidade para que você possa dar uma virada na sua vida e da sua família, então o que você decide? Ir para cima ou recuar?”

Eu não tive dúvidas, fui para cima e posso lhes dizer que foram 7 anos fantásticos que até hoje me rendem bons contratos de consultoria por conta do conhecimento matemático que adquiri.

Portanto, meu amigo e minha amiga, quando você estiver sem disposição de fazer algo ou achar que não vale a pena o esforço, procure se perguntar o porquê está buscando tal objetivo e cuide do seu AUTOCONHECIMENTO!

Quer se conhecer mais e (re)conectar-se com a sua essência para que você se livre de barreiras como crenças limitantes e zonas de conforto? Então acessa este link aqui http://bit.ly/MENTARCX e saiba como participar da mentoria AUTO(RE)CONEXÃO. O inicio é dia 26/06/2019. Vamos nessa?!    

Sucesso sempre!

Como demolir seus paredões.

Como se derruba uma parede? Você provavelmente irá dizer que depende, não é mesmo? De certa forma você tem razão, porém o fato é que se não houver ferramentas próprias, independentemente do tamanho da parece, será muito difícil derrubá-la.

Por incrível que pareça, os paredões internos também precisam de ferramentas precisas para serem derrubados. Você tem conhecimento de seus paredões e das devidas ferramentas para derrubá-los? Se sim, como você as usa? Se não, como você lida com as que aparecem regularmente à sua frente?

Os paredões internos que eu menciono são tudo aquilo que, de alguma forma, lhe atrapalham de seguir em frente e conquistar o que você deseja.

Medos, pânicos, fobias, receios, desconfianças, traumas, enfim… dentro de nós há uma memória chamada de inconsciente que armazena todas estas mazelas que citei há pouco e muito mais. Todavia, tais mazelas não começaram recentemente, muitas delas iniciaram na sua idade de infância, sabia disso? 

Quando eu era criança meus pais eram muito protetores, não me deixavam fazer muitas coisas e eu era muito dependente. Quando cheguei à adolescência eu custei a sair sozinho de casa, por exemplo.

Para você ter uma ideia, toda vez que eu saia de casa para ir a algum lugar o que eu ouvia era: ”Cuidado, a rua é perigosa, não chegue tarde, não converse com estranhos, etc.”

Sabe o que todo este protecionismo resultou? Toda vez que eu saia de casa eu tinha dor de barriga, e sabe por que isso acontecia? Porque a minha memória inconsciente acionava as frases que eu costumava ouvir e acredite você ou não, isso perdurou até minha fase adulta.

Como terminou? Quando eu comecei a ministrar treinamentos pelo Brasil eu tinha que viajar longas distâncias, então comecei a ter bons diálogos internos para derrubar a parede do medo de sair de casa, até eu vencê-la.

Agora, você já pensou se eu não tivesse demolido este paredão, como seria toda vez que tivesse de viajar eu sentisse dor de barriga? Quantos voos eu já não teria perdido?

Talvez você esteja se perguntando: “E as ferramentas que você usou para derrubar as paredes, quais foram?” Então, perceber quando iniciou o trauma é fundamental para começar a quebrar paredões internos; depois disso, veja se hoje em dia faz sentido você alimentar e manter este trauma; por último, faça a seguinte pergunta: “O que eu ganho mantendo esta crença que me atrapalha?”

Você notará que se for algo que te atrapalha, você buscará soluções para reverter a situação. No inicio será difícil, porém com o tempo e o hábito você superará este problema.

O exemplo que eu lhe dei foi um tanto simplório, porém serve para exemplificar como uma crença que inicia na infância se não for tratada talvez perdure por toda sua vida.

Como você já leu neste artigo, todos nós temos crenças que criam paredões e consequentemente podem estar nos atrapalhando de seguir em frente, porém precisamos ter ferramentas que derrubem estas paredes para que sigamos em frente.

Além das ferramentas que citei acima, tenha disciplina, força de vontade, fé, autoconfiança, foco e o que mais estiver ao seu alcance para que você elimine o que te atrapalha.

O que você achou deste artigo? Escreve um comentário aqui embaixo dando sua opinião, ela é muito importante para que ofereça sempre o melhor para você.

Sucesso sempre!

Empreendedor não promete, faz.

Durante uma eleição um dos principais pontos a serem analisados no candidato a um cargo político é o quanto ele cumpre o que promete. Se for um candidato que já possua um tempo de carreira, a tendência é se olhar para seu passado e vir o que realizou, se for novo na profissão será olhada sua vida pessoal, pois é o parâmetro que se tem.

Apesar de eu ter usado a política como exemplo, já reparou que nosso dia a dia é muito comum pessoas prometerem algo e não cumprirem, deixando um misto de expectativa e decepção no outro? Mas porque isso acontece com tanta frequência?

Em algumas regiões do Brasil há em determinadas culturas a dificuldade de dizer “não” com o receio de não deixar a outra pessoa chateada, porém prometer e não cumprir não é até pior? Então porque não ser transparente e dizer a verdade seja lá qual for?

No inicio do ano eu precisei contratar um marceneiro para fazer os pés de uma mesa de jantar com tampão de vidro que se estragou com o tempo. Eu precisei entrar em contato com nada mais nada menos do que 7 “profissionais” e somente o sétimo entregou o serviço como acordado.

Sabe por que eu desfiz o contrato com os outros 6? A falsa promessa de que iriam me entregar em determinada data ou que não poderiam entregar do jeito que eu havia pedido, mas seria algo muito parecido. Nenhum deles, com exceção do sétimo marceneiro, foi transparente comigo.

Quando você passa a desacreditar em uma pessoa? Uma das razões é quando ela não cumpre o que promete. Você já passou por isso? Em qual lado da moeda você se colocou e se coloca? Do lado de quem promete ou do lado de quem é prometido?

Empreender é comportamento, não é função como muitas pessoas acham que é. Você se acha uma pessoa empreendedora? Segundo o seminário EMPRETEC da ONU e ministrado no Brasil pelo SEBRAE, as 10 características do comportamento empreendedor são:

1. Busca de Oportunidades e Iniciativa

2. Persistência

3. Correr Riscos Calculados                   

4. Exigência de Qualidade e Eficiência

5. Comprometimento                                

6. Busca de Informações

7. Estabelecimento de Metas                  

8. Planejamento e Monitoramento Sistemáticos

9. Persuasão e Rede de Contatos         

10. Independência e Autoconfiança

Todavia, há um comportamento que é fundamental e que engloba todos os dez citados acima: a transparência com você e principalmente com quem você lida. Portanto, se você não tem condições de cumprir com algo, não prometa. Seja diferente de muitas pessoas que não tem coragem de assumir suas limitações.

Como você se sente quando alguém lhe promete algo e cumpre? Eu tenho quase certeza que você fica muito feliz com tal pessoa, não é mesmo? Assim acontece com as pessoas em relação a você e aquela máxima, não faça com os outros o que você não gostaria que fizesse com você é pura verdade, concorda?

O que você achou deste artigo? Escreve um comentário aqui embaixo dando sua opinião. Além disso, eu quero lhe fazer um convite.

Eu administro dois grupos no WhatsApp. Um é voltado para o empreendedor pessoa física chamado de “Empreendedorismo eficaz”. O seu objetivo é levar ideias a pessoas que queiram crescer como pessoa e profissionais.

O outro grupo é para empresários que desejam crescer com seus negócios. O nome é “Mundo Business”.

Seguem abaixo o link de ambos:

Empreendedorismo eficaz – https://chat.whatsapp.com/I50WupMJiP1DJBHinl2AR0

Mundo Business – https://chat.whatsapp.com/DFi1f853BvW8lt1W54Afey

Sucesso sempre!

O poder das perguntas corretas

“O que move o mundo são as perguntas e não as respostas” diz aquela famosa frase do canal Futura.  Perguntas têm poder, principalmente as perguntas corretas, as que lhe levam a refletir suas condutas e que lhe transportam de um estado atual para um estado desejado.

O processo de Coaching é todo feito em torno de perguntas, de um método muito bem construído que à primeira vista te coloca contra a parede pela pressão que sofre, mas sabe por que você se sente assim? Porque seus comportamentos e atitudes são expostos e nas entrelinhas as perguntas lhe desafiam dizendo: Você sabe que pode, vai agir ou ficar parado?

Mas Amandio, como criar a habilidade de fazer perguntas que faça o outro refletir o que está fazendo? A resposta é: Interesse-se pelo outro, mergulhe no mundo da pessoa que está lhe relatando uma situação, viva aquele momento para ela e desligue-se do mundo à sua volta.

Você é uma pessoa que se interessa pelo outro? Você é procurado por pessoas que precisam de ajuda e desejam uma palavra sua? Se você respondeu que sim, qual é o seu sentimento quando estas pessoas te procuram?

Se lhe pedem ajuda e você gosta disso, então você de certo já possui alguma habilidade que atrai as pessoas, porém você entrega o peixe ou ensina as pessoas a pescar? Você sabe qual é a diferença?

Entregar o peixe significa dizer para o outro o que fazer e muitas vezes isso é perigoso, pois a pessoa pode estar tão fragilizada que pode seguir na íntegra seus conselhos e se por um acaso derem errado você pode ser responsabilizado (a) por tal.

Por outro lado, ensinar a pescar tem a ver com apoiar a pessoa naquilo que ela deseja alcançar e para isso você precisa seguir estes 4 passos:

  1. Tenha a sua escuta atenta. Evite desviar a atenção da pessoa que esteja falando com você. Quanto mais você prestar atenção no que ela está relatando, mais você terá condições de fazer perguntas certas;
  2. Evite pensar antecipadamente. Procure não interromper o que o outro está falando tentando adivinhar o que ele irá falar;
  3. Evite fazer juízo de valor. Quando você julga você tira suas conclusões precipitadamente e só irá prejudicar o processo;
  4. Estruture sua escuta. Divida sua escuta em duas partes:

4.1. Encoraje a pessoa fortalecendo o que ela está dizendo, use: ok, entendi, o que mais? etc.

4.2. Clarifique o que ela está dizendo usando: “Como você chegou a esta conclusão?” “O que você está dizendo realmente faz sentido para você?” “O que você extrai de tudo isso que está relatando?”

O que eu acabei de colocar para você acima faz parte do processo de uma sessão de Coaching, onde o conjunto de atitudes colocado pode potencializar o que o outro pretende fazer e, além disso, perceba que fazendo perguntas a decisão é da pessoa e não sua. Não é melhor assim?

Treinando os 4 passos que eu acabei de lhe dar você terá mais capacidade de perguntar de maneira assertiva e pontual, fazendo com que o outro possa refletir suas atitudes perante a realidade que está trazendo.

O que você achou deste artigo? Escreve um comentário aqui embaixo dando sua opinião. Quer começar a planejar o seu ano de maneira diferente? Então venha participar do treinamento de 4 semanas Life Destiny online, um programa que irá lhe levar a um patamar muito maior de decisão comparado com o que você já aplica hoje. Acesse http://bit.ly/LifeDestiny e torne-se dono(a) de seu destino.

Sucesso sempre!

4 Verdades por detrás do foco

Muito se fala sobre “manutenção de foco”, que para atingir o seu apogeu de sucesso o individuo precisa focar naquilo que tanto deseja e esquecer tudo mais que não agregue ao seu objetivo, não é mesmo? Porém eu lhe pergunto: Quantas pessoas do seu círculo de convivência começam e terminam algo mantendo 100% do foco necessário? E você? Tem conseguido?

Quando se fala em manter o foco algumas pessoas sentem um grande calafrio e muito medo. Eu não sei se é o seu caso, mas o desafio maior de se permanecer no trilho sem desviar caminho se chama DISCIPLINA.

Disciplina é a capacidade de seguir em frente mesmo em situações adversas, quando a mesma não é seguida é comum que projetos fracassem por falta de controle e persistência em sua execução.

A disciplina vem acompanhada de vários outros itens que descrevo abaixo para que você perceba (caso ainda não tenha percebido) que manter o foco não é tão simples assim, porém pode ser muito bem administrado.

Se você parar para refletir talvez você seja uma pessoa bastante disciplinada para alguns aspectos da sua vida, todavia pode também deixar a desejar em outros. Mas o que te leva a ter este desequilíbrio? Eu citarei abaixo 4 verdades por detrás do foco que lhe farão perceber o porquê de você depositar mais esforços em algumas metas e consequentemente no foco das mesmas do que em outras.

  1. Saber o que quer, mas não saber como alcançar. É muito difícil manter o foco em algo quando não sabemos qual caminho percorrer. O plano de ação, que é o passo a passo de sua jornada, vai determinar o foco que você precisa colocar para ser bem sucedido;
  2. Não sentir-se capaz de levar a meta adiante. Você já deve ter ouvido falar em crenças limitantes, não é mesmo? No meu artigo “O poder das crenças limitantes” eu falo mais sobre elas. Todos nós temos barreiras internas que nos bloqueiam e impedem de avançar rumo ao que desejamos. Quando damos ênfase a estas barreiras nos sentimos enfraquecidos, consequentemente o nosso poder de foco se enfraquece também, podendo acarretar na desistência do que nos propomos.
  3. Focar em várias coisas ao mesmo tempo. Este é um dos erros mais comuns, querer tudo ao mesmo tempo, principalmente quando o que desejamos são coisas desconexas umas das outras. O que se deve fazer é listar suas metas e colocá-las em ordem de prioridade.
  4. Ser um adepto da procrastinação. Procrastinar é adiar o que deve ser feito para outro momento e perder grandes oportunidades na vida (leia meu artigo “Pare de procrastinar e faça o que tem de ser feito”). Quem tem o hábito de procrastinar perde o foco muito facilmente, pois fica colocando desculpas para não fazer o que tem de ser feito e com isso vai se desviando de sua meta.

Como você pode perceber, manter o foco em algo requer bastante disciplina e autoconhecimento e como se conquista isso? Sabendo exatamente o que você deseja para você e sua vida. Evite focar em algo que não faça real sentido para você, isso pode trazer consequências desastrosas. FICA A DICA!

Portanto, não se deixe enganar pela aparência de que apenas focar em algo que você deseja seja o suficiente. Eu posso lhe dizer isso com toda propriedade, pois diversas vezes foquei em algo que desisti no meio do caminho sem ao menos saber o porquê de eu estar me dedicando em algo que não fazia o mínimo sentido pra mim.

Este artigo fez sentido para você? Então você gostará de conhecer o método 3P’S. Clique aqui http://bit.ly/Método3Ps e comece a mudar os rumos de sua vida através de um método que lhe fará alcançar o que deseja através do autoconhecimento.

Sucesso sempre!

O jeito workaholic de ser (de cada um)

Workaholic é uma palavra em Inglês usada para quem é viciado em trabalho, um trabalhador compulsivo. Como coach, trainer, palestrante e consultor de empresas eu tenho encontrado centenas de pessoas que se encaixam neste termo e talvez você também se enquadre nele assim como algumas pessoas que você conheça.

Até aí tudo bem, trabalhar é maravilhoso, nos faz sentir úteis e com energia. Eu particularmente agradeço todos os dias a Deus pelo trabalho que tenho, o problema é que muitas das pessoas que encontro infelizmente não gostam do que fazem e consequentemente não fazem com maestria ou não separam seus tempos entre as atividades pessoais e profissionais, e ficam colocando a culpa na falta de tempo.

Por outro lado, você já reparou na maneira de trabalhar das pessoas bem sucedidas? Duas coisas são certas em suas vidas: Primeiro, elas amam o que fazem e segundo, elas têm um planejamento que as permitem viver e aproveitar dos resultados que obtêm no trabalho. Baseado nisso, estabeleço sete dicas que considero importantes para você fazer uma auto avaliação e saber se o seu jeito workaholic de ser é o que você realmente pensa que é:

  1. Você ama o que faz? Como eu disse anteriormente, as pessoas bem sucedidas amam seus ofícios, elas na verdade não trabalham e sim se divertem. Ao sair de casa para trabalhar como está o seu nível de felicidade? Porém, a palavra que estou usando é “AMAR” e não gostar.
  2. Você exerce sua profissão com excelência? Quando há amor no que se faz o universo sempre irá conspirar a favor, consequentemente você irá dar sempre o melhor de si.
  3. O que você executa está dentro do seu propósito de vida? É muito comum virmos pessoas trabalhando em algo simplesmente pelo fator dinheiro, porém detestando o que fazem, pois não condiz com o propósito de vida.
  4. Você tem o hábito de se (re)capacitar sempre? Capacitar-se é sempre bom para você e para sua profissão, pois o faz diferente dos demais.
  5. Você investe na sua profissão? Quantos cursos e / ou treinamentos você investe por ano? Quantas horas por dia / semana você se dedica para ampliar seus conhecimentos sobre o que faz ou até mesmo para aprender algo novo?
  6. Você exerce sua profissão para quem? Quando você está trabalhando em quem você procura satisfazer primeiramente? A você mesmo ou a pessoa que você está prestando o serviço? Lembre-se que para sermos reconhecidos precisamos contemplar primeiramente o outro.
  7. Você está feliz com seus resultados? Ao longo de seus anos de trabalho como você tem se sentido? Satisfeito com seus resultados? O que você construiu hoje é realmente o que você sempre desejou?

Por muito tempo na minha vida profissional fiquei preso a coisas que não me traziam felicidade, na ilusão de que ter um salário que eu pudesse viver era o que eu precisava. Eu somente abri meus olhos quando percebi o quanto não gostava mais do que eu fazia e que meus resultados financeiros eram compatíveis com o “prazer” que eu tinha em ir para o trabalho. Na verdade o problema não era com a empresa ou com as pessoas que eu convivia, o problema era simplesmente eu. Eu não me sentia realizado, era um workaholic nato, trabalhava muito, me dedicava ao máximo, porém não era feliz.

Um dia me olhei no espelho e comecei a refletir sobre as razões de eu não ter os resultados que eu gostaria de ter, e as principais eram:

  1. Trabalhava somente pensando no dinheiro;
  2. Entrei em uma zona de conforto acreditando que o que eu fazia já era o suficiente;
  3. Não tinha reconhecimento e eu necessitava disso como todo ser humano;
  4. Pensar em mudanças me aterrorizava, e se não desse certo o que seria de mim?
  5. Criava desculpas para mim todo o tempo como o de não ter tempo para fazer algo diferente.

Posso lhes dizer com toda segurança que a conversa que tive comigo mesmo na frente do espelho foi o melhor diálogo que eu tive na minha vida, ali caíram dezenas e até centenas de fichas suficientes para que eu mudasse e assim o fiz.

Portanto, não perca tempo! Seja workaholic sim, porém com precisão, planejamento e muita autorreflexão e você perceberá que tudo pode ser diferente.

Um grande abraço a todos!

As dores e os prazeres da mudança

Muitas vezes em nossa vida recebemos sinais de que precisamos mudar algo para podermos evoluir, isso acontece tanto no âmbito pessoal como no profissional. Ao que precisamos ficar atentos é o que esta mudança irá nos agregar de bom e como lidaremos com a mesma. E como saber disso?

Na minha experiência em sala de aula como educador e em palestras tenho percebido que as pessoas querem mudança, porém uma coisa que trava a maioria delas é que mudar dá trabalho. É verdade, dá muito trabalho! Todavia, sempre teremos dois lados para olhar: o do prazer e o da dor. É ai que entra a atenção de que falo no primeiro parágrafo. Você precisa perceber se tais mudanças vão agregar algo a você, dai prevalece o lado do prazer. E como saber para que lado olhar? Tente refletir os seguintes aspectos:

  1. Você quer mudar? Você já deve ter ouvido aquela famosa frase: “em time que está ganhando não se mexe”. Essa é uma das frases mais confortáveis que existe, porém muitas pessoas se prendem nela para justificar a estagnação;
  2. Você está disposto(a) a pagar o preço? Como eu disse antes, mudar dá trabalho e para isso você terá que abdicar de muitas coisas na sua vida pessoal e profissional;
  3. Você terá paciência? Uma das características do povo brasileiro é o imediatismo e se tratando de mudança ser imediatista só vai atrapalhar as coisas, portanto paciência é tudo.
  4. Você está pronto para as críticas? Muitas pessoas, principalmente e infelizmente da família, têm o hábito de criticar alguém quando você está tentando algo novo na vida e isto pode bater de duas formas no seu coração: Empurrar-lhe para baixo ou te dar mais força para continuar em frente;
  5. O que você irá fazer caso não dê certo na primeira tentativa? Como enfatizado no item 3, paciência é fundamental no processo de mudança, portanto não fique esperando que possa dar certo logo na primeira tentativa, siga em frente;
  6. Mudei, atingi o que queria. E agora? Como um ciclo, ao atingir seu objetivo tudo volta ao normal e então vem a fatídica pergunta: Eu quero mais ou está bom? Todavia, lembre-se que o empreendedor jamais estagna em algo, ele quer sempre inovar, porém isto é uma escolha exclusivamente sua.

Apesar de estabelecer 6 pontos fundamentais para lidar com a mudança, eu deixei um de fora que na minha opinião vem antes de todos (apesar de deixá-lo por último): o amor pelo que você faz. Lembra de que falei dos dois lados no início do artigo? Então, o lado do prazer está diretamente ligado ao amor que você tem pelo que faz e consequentemente sempre vai querer realizar o melhor.

Tudo o que realizamos na vida tem causa e consequência. Vou dar um exemplo prático: Fazer algo com amor é causa, ganhar dinheiro com o que faz é consequência. Infelizmente as pessoas pensam ao contrário, elas depositam todos seus esforços na consequência e pouco ligam para a causa.

Eu conheço muitas pessoas que entram em algum projeto exclusivamente pelo dinheiro e esquecem ou desconhecem que dinheiro não move pessoas e sim realizações, e você só se sentirá realizado plenamente se fizer algo que o deixe feliz. Portanto, procure fazer algo que te dê prazer que a consequência virá em breve.

Perceba então que o processo de mudança para melhor é inevitável se você assim o quiser, é claro. Todavia, sinto lhe dizer que se você não quiser mudar ela acontecerá mesmo assim, mas você ficará para trás e defasado. É isso o que você deseja? Pense nisso!

Um grande abraço e sucesso!

Inovar para não afundar

Em tempos de crise há quem acredite que a vida é assim mesmo, que enquanto esta nuvem negra continuar pairando sobre os céus do nosso país não há nenhuma esperança de dias melhores. Bem, você provavelmente já deve ter conversado com pessoas assim, que só querem uma oportunidade para colocar a responsabilidade do seu insucesso à crise, não é mesmo?

Desde que o mundo é mundo a palavra crise já existe. Em todo lugar há crise: famílias, casais, amigos, equipes, empresas. Você com certeza já atravessou algumas em sua vida e saiu delas também, portanto eu lhe pergunto: Você desistiu ou seguiu em frente para poder superá-la? É evidente que você foi em frente até que a crise não existisse mais e o que você fez para vencê-la? Você inovou, fez algo diferente. E sabe por quê? Simplesmente porque da maneira como você estava fazendo já estava obsoleta e não trazia mais resultados eficazes.

Inovar quer dizer tornar novo, renovar e é impossível conseguir êxito em algo continuando a fazer as mesmas coisas, pois movimentos iguais resultados iguais. No meu artigo “As crenças limitantes do nosso dia a dia” eu cito algumas frases paradigmáticas que muitas vezes entranham nas nossas mentes e corações durante nossas vidas e que nos levam a pensar que não há outro caminho a não ser se conformar com a tal da crise.

Você, empresário, muitas vezes deve ter perdido o sono pensando em como superar estes momentos difíceis que passamos e não chegou a nenhuma conclusão. Será que você não focou demais no problema ao invés da solução? Entenda que o problema já está instalado, o que você tem que fazer é buscar soluções para driblar os problemas, e como fazer isso? Abaixo estabeleço alguns princípios que podem lhe ajudar a ter dias melhores:

1. Você já passou por algo parecido ou igual antes?  Como eu citei no segundo parágrafo, você já deve ter passado por algumas crises, então pare para refletir como você as superou, o que você fez para transformar o problema em solução;

2. Você conhece alguém que passou por algo parecido? Muitas vezes em sua rede de contatos você pode conhecer alguém que já tenha passado pelo mesmo sufoco que você está passando agora ou algo parecido, que tal trocar uma ideia com esta pessoa?

3. O que levou a desencadear esta situação? Faça um “flashback” na sua mente e tente reconstruir o passo a passo que levou a esta situação difícil.

4. O que você pode fazer de diferente que ainda não fez antes? Faça uma lista de atitudes que poderia tomar diferente do que já fez.

É imprescindível que você foque somente na solução, afinal de contas potencializar o problema só vai piorar as coisas. Entenda que se você pensar bem a crise só aumenta quando você dá crédito a mesma, portanto busque saídas que a tirarão de rota.

O filósofo Platão já dizia há muitos anos a seguinte frase: “Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida”, em outras palavras ele queria dizer para não deixarmos para tomar providências somente quando nossa vida pessoal ou profissional está indo de encontro a um paredão. Procure evitar buscas de soluções somente quando se sentir em apuro e para isso um bom planejamento é fundamental.

Planejar significa deixar de improvisar baseado em fatos vazios e é exatamente o que a maioria faz, em outras palavras é o chamado “apagar incêndio”. Sabia que muitas pessoas estão mergulhadas em problemas diversos em suas empresas por não fazer um bom planejamento e responsabilizam a crise?

Não deixe de inovar na sua vida pessoal e profissional, afinal de contas a vida é um grande oceano e nosso corpo um grande navio que pode ser levado a portos muito bons como também ficar à deriva e até mesmo vir a afundar. A decisão é sua!

Quer saber mais sobre como agir para mudar e potencializar a sua saída deste estado atual? No dia 25 de agosto realizarei em Belém, o Workshop “Construção de Resultados”. Quer saber mais como este trabalho pode lhe ajudar? Entra em contato comigo pelo whatsapp (91) 99112-4477.

Um grande abraço a todos!

 

O poder das crenças (limitantes)

“Querer é poder”, frase muito conhecida e utilizada em diversos contextos, você provavelmente já deve tê-la pronunciado diversas vezes, não é mesmo? Com o tempo apareceu uma variação da mesma: “Querer nem sempre é poder”. Qual das duas está correta?

A mente do ser humano é um espaço infinito onde tudo cabe inclusive o que ele não é capaz de realizar. Mas para que ficar pensando em algo que eu considero impossível de realizar? Para que perder meu tempo? Não seria melhor focar em algo que é possível? Não seria mais relevante e prazeroso?

Acontece que possível e impossível caminham juntos na mente de todos nós e muitas vezes damos ênfase ao que não queremos, porém isso não acontece aleatoriamente.

Nesta ciranda do poder ou não poder, ser capaz ou não, há crenças que estão instaladas dentro de cada um de nós, que foram criadas pela nossa mente de alguma forma e muitas delas nos limitam. Elas podem ser classificadas em 3 tipos:

Crenças herdadas. São as que ouvimos durante toda nossa vida vindas principalmente de nossos pais e que depois de um determinado tempo nem sabemos o porquê de acreditarmos nelas;

Crenças divididas ou emprestadas. São aquelas que ouvimos, não sabemos como surgiram, mas acabamos “comprando a ideia” de que são verdadeiras;

Crenças vividas. São as que, ao vivê-las, criamos experiências práticas o suficiente para colocá-las em nosso currículo e compartilhá-las.

No meio dos três tipos de crenças há uma que se instala e que é muito mais difícil de expurgar de sua vida, pois está enraizada no seu subconsciente e como uma “proteção” toda vez que aparece algo novo na sua vida sua mente a dispara e lhe puxa para trás como um imã. Seu nome? Crenças limitantes.

As crenças ou barreiras limitantes são as que não o deixam seguir em frente, pois por detrás delas há medos, traumas, incertezas e outros sentimentos negativos impedindo o ser humano de sair do estado atual para o estado desejado.

Eu tive um coachee (pessoa que passa pelo processo de Coaching) que começou as sessões querendo muito algo novo em sua vida, porém colocava muitas dificuldades em cima, até estabelecendo alguns pontos como “impossíveis” de acontecer.

Com o decorrer das sessões, ele foi quebrando algumas barreiras que o impediam de crescer e o mais interessante foi ele se dar conta de que muitas destas crenças limitantes eram herdadas de seu pai, pois ele mesmo de vez em quando dizia: “Nossa, estou falando igualzinho minha mãe ou meu pai”.

Então, Amandio, como fazer para quebrar tais barreiras que me impedem de seguir em frente? Como tudo na vida, isto também tem solução e ela acontece em três passos:

Passo 1 – Pergunte-se de onde vem a crença limitante que está evidente na sua mente;

Passo 2 – Averigue se ela é realmente real e relevante na sua vida;

Passo 3 – Transforme-a, ou seja, ao invés de pensar no que você não quer pense no que você quer.

As crenças não nascem do nada dentro de nós, elas são criação nossas e isso acontece quando não temos o devido controle de nossos pensamentos. Portanto, acreditar que algo é impossível ou não de ser realizado só depende de suas crenças e como você cuida delas.

Este artigo fez sentido para você? O que acha de conhecer melhor o processo de Coaching? Eu lhe convido para uma sessão experimental via Skype comigo. Acessa meu número de WhatsApp através deste link aqui http://bit.ly/AmandioJunior e entra em contato, eu terei o maior satisfação em lhe apoiar na busca de seu estado desejado.

 

Sucesso sempre!