Desde o inicio dos tempos a matemática tem feito parte da vida de todo ser humano, direta ou indiretamente, inclusive há uma teoria que diz que tudo gira em torno da mesma. E quando se fala em matemática se fala em raciocínio e exatidão.

  Falar de finanças tem tudo a ver com a matemática, apesar de eu acreditar que o que move finanças é o emocional e não o racional. Aliado a isso, finanças pessoais não é diferente, pois emoção e razão andam lado a lado. Talvez o grande empecilho seja a relação que as pessoas têm com os dois sentimentos.

  Se você é uma pessoa que costuma contabilizar seus gastos então você consegue perceber até onde sua capacidade financeira consegue ir. Nas diversas cidades que eu ministro treinamento pelo Brasil eu costumo conversar muito com os empresários que me assistem e há uma tendência deles colocarem a culpa de suas situações muitas vezes difíceis somente nos números. Frases como “não estou vendendo”, “o mercado está difícil”, “só estou levando prejuízo” são muito comuns entre eles. Dificilmente as razões, expressadas por eles, são comportamentais e sim racionais.

  Eu percebo que muitos empresários negligenciam o fator gestão de pessoas dentro de suas empresas, eles não conseguem ver que os resultados numéricos que eles almejam estão diretamente ligados ao comportamental, pois sem uma equipe que esteja em harmonia com a filosofia e os valores da empresa e vice versa não há como ter uma companhia saudável.

  Mas o que isso tem a ver com finanças pessoais já que eu mencionei o lado empresarial? Tem muito a ver, pois dependendo da maneira como você encara seu momento financeiro atual tudo ou praticamente tudo na sua vida será diretamente impactado pela escassez momentânea do dinheiro.

  No meu círculo de convivência há diversas pessoas que acreditam que a maior razão da vida é ter dinheiro no bolso, que acreditam que seriam mais felizes se ganhassem mais. Uma dessas pessoas fica incessantemente correndo atrás do dinheiro e quando ele aparece, ela o gasta imediatamente por ter muitas dívidas e cai em depressão novamente.

  O que ela não percebe é que a presença ou a falta do dinheiro dita o seu comportamental, se tem dinheiro está feliz se não tem está triste. Então porque não começar a equilibrar emocional e racional? Provavelmente a combinação dos dois poderia dar um efeito diferente.

  O cérebro possui dois hemisférios: o direito e o esquerdo. O hemisfério esquerdo é responsável pelo racional, o lógico. O Hemisfério direito pelo emocional, o criativo. Finanças fica em qual lado? Você pode estar se dizendo agora “é claro que é no esquerdo”, porém sinto lhe dizer que fica no lado direito, no emocional e eu explico o porquê.

  Como você se sente quando está com algum problema financeiro? Por exemplo, você faz suas contas e percebe que o que irá entrar na sua conta não será o suficiente para pagar suas dívidas e nem comprar algo que você estava precisando? Qual hemisfério te abala mais? O direito ou o esquerdo? Certamente o direito, pois você passa a ter preocupações, não dormir direito, recolher-se. Enfim, as primeiras coisas que são abaladas são o coração e o tórax (estômago, fígado, etc.).

  Então que tal evitar ter surpresas desagradáveis? Vou aqui te dar algumas dicas que julgo serem muito importantes:

1 –  Reflita sobre a sua situação financeira atual, tente lembrar a raiz do problema, quando tudo começou e o que desencadeou para sua vida estar do jeito que está;

2 – Tenha em mente que apesar de que algumas situações em sua vida acontecerem inesperadamente, a maneira como você as encara é escolha sua;

3 – Mantenha o foco na solução, no inicio você poderá ter alguma dificuldade em tirar o foco do problema, se for o caso converse com um coach para lhe ajudar;

4 – Independentemente de suas dívidas atualmente serem maiores do que você ganha não as perca de vista, continue tomando nota de tudo o que gasta para ter o controle da situação;

5 – Faça um planejamento seguido de um plano de ação do que você pode fazer de diferente para poder alavancar seu orçamento. Lembre-se que você terá capacidade de desenvolver muito mais do que já faz;

6 – Autocontrole é fundamental para manter a higiene mental e para que isso aconteça a maneira que você pensa sobre sua situação irá definir o bom andamento de seus objetivos. Olhe este quadro:

O resultado que você quer almejar (no caso, em relação a finanças pessoais) está diretamente ligado à maneira como canaliza seus pensamentos. Eles são responsáveis pelas emoções que você absorve, ou seja, pensamentos positivos, emoções positivas, ações positivas, resultados positivos. Contudo, o oposto também é verdadeiro, portanto tenha muito cuidado com o que você pensa.

Eu acredito que muito do que acontece com o ser humano é de alguma maneira potencializado pelo mesmo. Como eu disse antes, você muitas vezes não pede para ter um determinado problema na sua vida, sendo mais específico, se você está passando por problemas financeiros você com certeza não pediu isso, porém para começar a virar este jogo você precisa focar na causa e não na consequência. Portanto, reflita sobre a origem de sua atual situação financeira estar do jeito que está.

Na próxima quinta feira você poderá assistir uma aula sobre este tema: “Finanças pessoais, uma questão de raciocínio e de comportamento”. Eu lhe aguardo para poder lhe dar mais dicas importantes de como planejar melhor seu dinheiro. Um grande abraço!

Para assistir a aula basta clicar nesse link: QUERO ASSISTIR A AULA!

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *