“Querer é poder”, frase muito conhecida e utilizada em diversos contextos, você provavelmente já deve tê-la pronunciado diversas vezes, não é mesmo? Com o tempo apareceu uma variação da mesma: “Querer nem sempre é poder”. Qual das duas está correta?

A mente do ser humano é um espaço infinito onde tudo cabe inclusive o que ele não é capaz de realizar. Mas para que ficar pensando em algo que eu considero impossível de realizar? Para que perder meu tempo? Não seria melhor focar em algo que é possível? Não seria mais relevante e prazeroso?

Acontece que possível e impossível caminham juntos na mente de todos nós e muitas vezes damos ênfase ao que não queremos, porém isso não acontece aleatoriamente.

Nesta ciranda do poder ou não poder, ser capaz ou não, há crenças que estão instaladas dentro de cada um de nós, que foram criadas pela nossa mente de alguma forma e muitas delas nos limitam. Elas podem ser classificadas em 3 tipos:

Crenças herdadas. São as que ouvimos durante toda nossa vida vindas principalmente de nossos pais e que depois de um determinado tempo nem sabemos o porquê de acreditarmos nelas;

Crenças divididas ou emprestadas. São aquelas que ouvimos, não sabemos como surgiram, mas acabamos “comprando a ideia” de que são verdadeiras;

Crenças vividas. São as que, ao vivê-las, criamos experiências práticas o suficiente para colocá-las em nosso currículo e compartilhá-las.

No meio dos três tipos de crenças há uma que se instala e que é muito mais difícil de expurgar de sua vida, pois está enraizada no seu subconsciente e como uma “proteção” toda vez que aparece algo novo na sua vida sua mente a dispara e lhe puxa para trás como um imã. Seu nome? Crenças limitantes.

As crenças ou barreiras limitantes são as que não o deixam seguir em frente, pois por detrás delas há medos, traumas, incertezas e outros sentimentos negativos impedindo o ser humano de sair do estado atual para o estado desejado.

Eu tive um coachee (pessoa que passa pelo processo de Coaching) que começou as sessões querendo muito algo novo em sua vida, porém colocava muitas dificuldades em cima, até estabelecendo alguns pontos como “impossíveis” de acontecer.

Com o decorrer das sessões, ele foi quebrando algumas barreiras que o impediam de crescer e o mais interessante foi ele se dar conta de que muitas destas crenças limitantes eram herdadas de seu pai, pois ele mesmo de vez em quando dizia: “Nossa, estou falando igualzinho minha mãe ou meu pai”.

Então, Amandio, como fazer para quebrar tais barreiras que me impedem de seguir em frente? Como tudo na vida, isto também tem solução e ela acontece em três passos:

Passo 1 – Pergunte-se de onde vem a crença limitante que está evidente na sua mente;

Passo 2 – Averigue se ela é realmente real e relevante na sua vida;

Passo 3 – Transforme-a, ou seja, ao invés de pensar no que você não quer pense no que você quer.

As crenças não nascem do nada dentro de nós, elas são criação nossas e isso acontece quando não temos o devido controle de nossos pensamentos. Portanto, acreditar que algo é impossível ou não de ser realizado só depende de suas crenças e como você cuida delas.

Este artigo fez sentido para você? O que acha de conhecer melhor o processo de Coaching? Eu lhe convido para uma sessão experimental via Skype comigo. Acessa meu número de WhatsApp através deste link aqui http://bit.ly/AmandioJunior e entra em contato, eu terei o maior satisfação em lhe apoiar na busca de seu estado desejado.

 

Sucesso sempre!

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *